Moreira Campos, Clarice Lispector e Núbia Lafayette

O trio acima aparentemente pouco tem em comum. Contudo, o diretor e ator Wellington Rodrigues conseguiu uni-los no espetáculo: "Embriagada...eu quero desabafar!". Perfis: Moreira Campos um dos maiores contistas da literatura cearense, nascido em Senador Pompeu em 1914, professor da Universidade Federal do Ceará, membro da Academia Cearense de Letras e integrante do grupo literário Clã, é autor, dentre outras obras, do livro de contos “Dizem que os cães vêem coisa”. Faleceu em Fortaleza, 1994.

 

Clarice Lispector nasceu em Tchetchelnik, na Ucrânia, e chegou ao Brasil aos dois meses de idade. Naturalizada brasileira, dividiu a infância em Maceió e Recife. Aos 12 anos transferiu-se para o Rio de Janeiro. Formou-e em Direito, foi jornalista e destacou-se na literatura. Viveu anos no exterior, casada com um diplomata brasileiro. Faleceu em 1977, no Rio.

Núbia Lafayette nascida em Assu, RN, em 1937. Chamava-se Idenilde Araújo Alves da Costa e mudou-se para o Rio de Janeiro. Em 1950 brilhou no programa de calouros "A Voz de Ouro", da TV Tupi. Nome artístico: Nilde Araújo. Em 1960 passa a ser Núbia Lafayette, sugestão de Adelino Moreira que, com Nelson Gonçalves, a levou para a RCA. Dentre seus sucessos estão “Lama”, “Fracasso”, “Aliança com filete de prata”, “Casa e comida”, “Hino ao amor”, “Mata-me depressa” e “Amargura”. Morava em Maricá - RJ. A exemplo das estrelas do rádio da sua época - que a mídia atualmente costuma “esquecer” e só mostra quando morre - pouco apareci na TV. Sua última participação foi no Programa “Rei Majestade”, no SBT, e pouco tempo depois, em 18 de junho de 2007, faleceu, aos 70 anos, vítima de AVC, deixando-nos seu eterno encanto vocal.

Fiz estes resumos para alertar aos amantes de teatro de que o espetáculo “Embriagada...eu quero desabafar!" - volta ao Teatro SESC Emiliano Queiroz, às 20 horas, nos dias 03,04 , 10 e 11 deste mês, num trabalho da Cia. Teatral Moreira Campos fundada em 1998, por alunos do Curso de Letras e do Curso de Arte Dramática da UFC, tendo como principal objeto de pesquisa obras literárias. No caso específico, pesquisa, texto, direção, concepção, atuação, iluminação, sonoplastia, figurino, maquiagem e produção executiva são de Wellington Rodrigues, a Dolores do excelente monólogo. Imperdível!